O FUNK que você não conhecia!! – PARTE 2

O FUNK que você não conhecia!! – PARTE 2

Senhoras e senhores… Como prometido eu estou de volta para falar mais sobre Funk, o estilo musical que dá uma carinha de sexta-feira à todos os dias da semana. Imagino que desde minha última aparição vocês já tenham ouvido o álbum do Baby Huey que eu postei anteriormente (daí o Parte 2).

Ironicamente, Baby Huey vem me ajudando bastante a perder peso. Porque me dá forças na minhas caminhadas matinais.

Ainda sobre o passado: gostaria de me desculpar com as pessoas que se sentiram ofendidas quando eu insinuei que Funk Ostentação não era música, fui procurar no dicionário e vi que eu estava errado:

mú.si.ca 
sf (lat musica1 Arte e técnica de combinar sons de maneira agradável ao ouvido. 2 Composição musical. 3 Execução de qualquer peça musical. 4 Conjunto ou corporação de músicos. 5 Coleção de papéis ou livros em que estão escritas as composições musicais. 6 Qualquer conjunto de sons. 
Funk Ostentação é música sim e todos nós somos músicos!

…Bom, vamos ao álbum de hoje, que vocês consumirão religiosamente ao longo da semana, assim espero! Mas antes, uma regra para começarmos harmoniosamente:

“Não pode fazer zueirinha com o nome da banda!”

 

black-merda-front

 

… Vou sanar-lhes a curiosidade: na época da formação da banda as relações entre negros e brancos nos Estados Unidos era tensa, bem mais tensa que hoje. Muitos jovens negros foram assassinados pela polícia o pela Ku Klux Klan. O vocalista VC L. Veasey decidiu protestar através do nome da banda  e batizou-a de Black Murder (assassinato negro), mais tarde o guitarrista Anthony Hawkins sugeriu substituir a palavra Murder por Merda, que é como a rapaziada pronunciava a palavra na gíria. Claro que ele nunca imaginou que ia ser motivo de chacota aqui no Brasil. Os americanos até hoje não sabem que a gente fala português, imagina em 1968.

Fora o talento para nomes peculiares, a Black Merda foi a primeira banda de Rock composta unicamente por integrantes negros. Desculpa decepcionar mas essencialmente a Black Merda é uma banda de Rock, mas a influência do Funk é inegável, afinal ninguém lança um álbum chamado The Psych Funk of Black Merda à toa. O Black merda pode ser considerado o elo perdido entre o o Funk psicodélico e o Hard Rock do Jimmy Hendrix Experience. A influência de Jimmy Hendrix na guitarra de Anthony Hawkins é nítida. Mas não precisa sair por aí procurando um vídeo dos dois para comparar porque o álbum de hoje conta com uma versão de Foxy Lady, grande sucesso do rei da guitarra, gravada pela Black Merda

 The Psych Funk of Black Merda (2006)

Não sei se vocês perceberam mas esse álbum foi lançado em 2006. Na época da sua formação a Black Merda só lançou dois álbuns e caiu na obscuridade desde então, somente em 2005 foi lançada uma coletânea com todas as músicas dos dois primeiros álbuns chamada The Folks From Mother’s Mixer só então o Black Merda caiu nas graças do século 21, e como já vimos anteriormente o Funk tem uma forte troca de influência com Hip Hop e logo começaram a pipocar músicas com trechos do Black Merda sampleados. Duvidas? provo-te:

Está gostando desse post?

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!

A mama …

…e o nenê!

Logo no ano seguinte foi lançado o álbum apresentado, somente em vinil, contendo algumas raridades da manda. O que a Black Merda faria então com esse sucesso repentino, eles decidiram voltar!

Voltar como?

Assim oh!

Creiam vocês ou não estes senhores são aqueles mesmos caras de cabelo Black Power da capa do disco, definitivamente bem melhor que “qualquer conjunto de sons” que se ouve por aí.

Fica assim então, volto em breve com mais. E como dizem os artistas:

Merda pra você!

Deixe uma resposta