6 dicas para viver mais e melhor

6 dicas para viver mais e melhor

postado em: Amplie-se | 0

Essa semana recebemos a triste notícia do falecimento de Nelson Mandela. Uma das poucas pessoas que tiveram coragem de lutar até o fim por seus ideais. Na manhã dessa terça-feira o mundo inteiro acompanhou ao vivo o legado do velho Madiba: acabar com as diferenças e unir as pessoas. Se você não acredita repare na cara da mulher atrás do Barack Obama ao vê-lo cumprimentar o presidente de Cuba, Raúl Castro. Durante seu discurso Obama disse: “Madiba me faz querer ser um homem melhor”.

 11312279955_def628077b_o

Não será esse, talvez, o grande objetivo da vida? Buscar sempre ser um ser humano melhor. Atire a primeira pedra quem nunca sonhou em voltar alguns anos no passado sabendo o que sabe hoje. O que a maioria das pessoas não imagina é que evoluir o pensamento a ponto de ser uma pessoa melhor é a mesmíssima coisa. Ora, se hoje você pretende voltar 15 anos no passado, muito provavelmente daqui a 15 anos você queira voltar para o dia de hoje. Logo, se você fizer diferente hoje talvez você não vire um velho chato que só é chato porque descobre que não conseguiu ser um ser humano melhor a tempo, e agora vive reciclando conselhos para tentar alertar os mais jovens.

 

Entenda o mais rápido possível que a única coisa que todo mundo tem igual é o tempo, e que esperar “ter mais tempo” é uma busca inútil e sem sentido. Se você está disposto, aproveite algumas dessas dicas abaixo para criar mais tempo e ser uma pessoa melhor.

 

1. Discuta com seu parceiro

Pesquisadores da Universidade de Jena, na Alemanha, descobriram que quem expressa as emoções negativas vive até dois anos a mais que as pessoas que vivem reprimidas. Com o tempo, a raiva engolida pode causar hipertensão arterial, insônia, problemas vasculares e até câncer. Só não se esqueça de manter o nível da discussão e não confundir críticas com insultos.

 

2. Defenda uma opinião contrária às suas crenças

Ok, foi só para provocar. O que eu quero dizer é para você sair da sua zona de conforto. De acordo com a Sociedade Britânica de Longevidade, quando você sai da sua zona de conforto e provoca um leve estresse cerebral você danifica seus neurônios. Ao reparar esse dano, o corpo também repara outros danos ligados ao envelhecimento. Experimente ler uma revista de ponta cabeça, escrever com a mão contrária, fazer um caminho novo para o trabalho, ouvir músicas que detesta, etc.

 

3. Comece a se mexer

Se você tem arrepios a exercícios pode ficar tranquilo. Qualquer atividade física mínima, como balançar o corpo, por exemplo, provoca a liberação do BDNF, Fator Neurotrófico Derivado do Cérebro (UAU!). De acordo com o psiquiatra John Ratey, da Escola de Medicina de Harvard, essa substância química reverte a deterioração celular ligada ao envelhecimento. Ele recomenda ajustar o alarme do celular e se alongar ou se sacudir.

 

4. Cuide do jardim

Sempre achei um porre fazer academia. Também odeio andar, correr e pular corda. Não é possível que uma hora de esteira seja exatamente o mesmo tempo de uma hora de vídeo game. Sabendo dessa minha fraqueza comecei a praticar exercícios físicos que não são, necessariamente, um treino. Brincar com o cachorro pode ser um ótimo exercício, por exemplo. Lavar a louça e dar um tapão em casa também…

 

Nessa linha, a dica do Dr. Roger Henderson, clínico geral britânico e especialista em combate ao envelhecimento, fica por conta da jardinagem, que combina exercícios cardiovasculares com os de flexibilidade.

 

5. Mantenha-se sexualmente ativo

Além de melhorar a circulação e reduzir o estresse, o sexo libera DHEA. O DHEA é um dos formadores da testosterona que ajuda a reparar os tecidos. No país de Gales uma pesquisa identificou que as pessoas que atingiam orgasmos duas vezes por semana tinham 50% menos risco de morte precoce.

11312280065_792d717e78_o

6. Continue rindo

O humor aumenta o nível de anticorpos e células do sistema imunológico que combatem infecções. Uma análise do riso durante sete anos demonstrou que quem achava o mundo mais engraçado teve probabilidade 35% menor de morrer. Quem recebeu diagnóstico de câncer teve probabilidade 70 vezes maior de sobreviver quando era adepto do riso e do humor.

 

Deixe uma resposta